Buscar

O SEGUNDO MANDATO TEMER Por Felipe Miranda & Equipe

O SEGUNDO MANDATO TEMER

Por Felipe Miranda & Equipe

Hoje escrevo de forma diferente. Como você talvez percebeu, demorei um pouco mais do que o tradicional. Conforme ficará claro nas próximas linhas, foi por um bom motivo.
Nada de causos, histórias, teorias ou hipóteses. Quero falar do próximo ciclo eleitoral.
Resultado de imagemNão pela questão em si. Pouco me importam as filigranas do Planalto. Trato do tema com a relevância que ele merece, pois será justamente a eleição o elemento primordial para fazer você ganhar ou perder muito dinheiro nos próximos quatro anos, talvez oito.
Se em 2014 escrevi o famigerado “O Fim do Brasil”, não era por outro motivo senão para alertar-lhe dos riscos para seu patrimônio àquela altura. Também queria expor-lhe alternativas à época capazes inclusive de render um bom lucro, mesmo diante da maior crise da história republicana brasileira.
Daí vieram as sugestões de comprar dólar a 2 reais, para depois vendê-lo a 4, e de adquirir ações da Suzano, que oferece uma multiplicação do capital àqueles que as adquiriram.
Tenho duas teses a colocar nesta quarta-feira, 21 de fevereiro. Em ambas, carrego a mesma convicção. Estou certo de que a sua materialização poderá representar algo tão intenso quanto os grandes ciclos de valorização da história do mercado de capitais brasileiro. O leitor mais atento perceberá, inclusive, que essa trajetória de multiplicação dos ativos financeiros locais já está em curso, conectada justamente à mudança do espectro político na direção aqui enunciada.
Entendo que no momento da conversão e materialização das duas teses apresentadas nas linhas abaixo o nível de preços dos ativos brasileiros será outro, completamente diferente, muito superior ao que sequer conseguimos conceber neste final.
Evidentemente, as oportunidades de investimento estão colocadas agora, antes da concretização do que neste momento é, ainda, apenas uma hipótese. Quando a tese virar síntese, então não haverá mais como aproveitá-las, pois as cotações das ações e dos títulos já embutirão a nova realidade material.
Também é evidente como tudo que será exposto a seguir agora virá, de imediato, respondido com críticas de exagero, caráter prematuro e até mesmo loucura. Tudo igualzinho se deu quando publiquei “O Fim do Brasil” e também a tese macro posterior, batizada “A Virada de Mão”.
Às favas com as críticas. Se elas nos deixam tensos e preocupados no momento de sua apresentação – ver seu nome em todos os jornais citado em processos assinados pela Presidência da República não é algo fácil de se lidar num primeiro momento –, servem também para criar-nos casca e fazer-nos voltar mais fortes. Prefira os rostos marcados por cicatrizes, as mãos calejadas e a alma e o caráter forjados pela luta à beleza das peles imaculadas dos bebês.
A antifragilidade de Nassim Taleb corre por entre as veias e os obstáculos superados ao longo do caminho vêm para nos manter no caminho com maior convicção no nosso propósito. Ele é um só: fazer você ganhar dinheiro.
Hoje exponho aquela que considero a terceira tese mais importante em minha trajetória como estrategista da Empiricus: O SEGUNDO MANDATO TEMER.
Confesso que, em importância, ele se iguala ao Fim do Brasil e à Virada de Mão. Em capacidade de multiplicar o patrimônio dos investidores, porém, ele não encontra precedentes nessa minha breve história de oito anos e três meses à frente da Empiricus - quando escrevo à frente, é simplesmente por ter o meu rosto tornado a maior representação da empresa. Como importância, não há sequer como comparar-me ao Caio, ao Rodolfo, ao Beto, à Bia, ao André, ao Thiago, à Luciana e a tantos outros.
Também hoje não sou sequer o maior especialista de ações da Casa. Tenho convicção de que Alexandre, Bruce, Daniel, João, Max, Sergio entendem muito mais de Bolsa do que eu. Na renda fixa, então, seria uma covardia comparar-me à Marília.
Mas é justamente o apoio dessa equipe que é hoje a melhor e a maior (ao todo, são 32 pessoas procurando as melhores oportunidades para seu dinheiro, todos os dias) equipe de pesquisa de investimentos do Brasil que sintetizo minha tese.
A rigor, ela contém duas pontas. Mas a primeira delas é a mais essencial, que acaba resumindo tudo, com desdobramentos inimagináveis para seu dinheiro neste momento.
Eis a minha maior convicção do momento: Michel Temer não somente disputará a reeleição. Ele já está eleito para seu segundo mandato.
E sabe o que eu acho disso?
Trata-se da melhor notícia que seu dinheiro poderia receber em 2018. Mais do que isso, se trata da melhor notícia que o investidor poderia receber em vários anos.
Do ponto de vista estritamente pragmático, esquecendo-nos momentaneamente de desvios éticos e morais (sei que isso é quase impossível, mas peço gentilmente um esforço do leitor, talvez acima de nossas capacidades humanas), Temer está no rol dos melhores da história brasileira. Talvez seja inclusive o melhor, tendo deixado um legado institucional superior a qualquer estimativa concebida a priori.
Da mesma forma com que enumerei 10 elementos que caracterizavam O Fim do Brasil há quatro anos, agora elenco outra dezena de fatores que comprova o quão profícuo pode ser um Segundo Mandato Temer. A seguir, me refiro ao presidente como uma metonímia de toda a equipe que o cerca – quando falo do controle da inflação, por exemplo, o mérito estrito cabe ao presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn; em última instância, porém, ele foi nomeado pelo presidente Temer, de tal sorte que simboliza, sem tirar qualquer mérito em sua real e reconhecida competência individual, também o mandato Temer.
1 - O presidente voltou a controlar a inflação, que vinha sistematicamente acima da meta durante o governo Dilma, reduzindo de forma dramática o poder de compra da população brasileira e piorando de maneira significativa os indicadores de distribuição de renda. A inflação é ruim para o pobre; o rico consegue proteger-se por meio de aplicações financeiras. Se antes bateu em dois dígitos no auge da tragédia da nova matriz econômica capitaneada por Dilma, Mantega, Barbosa e Arno, ela encerrou 2017 inclusive abaixo do piso da meta do Banco Central, de 3 por cento ao ano;
2 - O presidente recuperou a credibilidade da política monetária, num ponto obviamente ligado ao elemento acima, nomeando uma das mais competentes equipes da história do Banco Central brasileiro e conferindo-lhe autonomia, de facto, em sua atuação. Agora, inclusive persegue também um legado institucional na política monetária, ao propor autonomia do BC;
3 - O presidente, ajudado por forças exógenas - reconheça-se -, superou de vez problemas de balanço de pagamentos, afastando qualquer suposição de estrangulamento externo e falta de dólares internamente. Assim, somos hoje muito mais blindados frente a uma eventual crise. O déficit em transações correntes antes de quase 5 por cento do PIB hoje não ultrapassa 1 por cento;
4 - O presidente, embora não tenha endereçado por completo a situação fiscal, impediu o desastre iminente ao encerrar de maneira peremptória a nova matriz econômica. Com isso, diminuiu a velocidade com que a dívida pública caminhava em direção à explosão. Há muito ainda por fazer, claro, mas hoje há consenso no debate sobre a necessidade de um ajuste fiscal estrutural. Além disso, conseguiu avanços concretos a partir da PEC do teto de gastos, enquanto agora propõe a reoneração da folha, aquela brincadeira custosa que não rendeu efeito algum na economia, para usar a metáfora precisa de Joaquim Levy;
5 - O presidente colocou uma ampla agenda de concessões e privatizações, incluindo no plano coisas que anteriormente eram impensáveis, sendo a Eletrobrás o exemplo mais emblemático. Isso flerta com maior eficiência da economia, aumento da meritocracia, redução da corrupção e melhoria das contas públicas;
6 - O presidente melhorou dramaticamente a governança das estatais, com nomeação das melhores cabeças (e almas) possíveis para administrar essas companhias. Nomes como Pedro Parente, Wilson Ferreira, Maria Silva (posteriormente substituída por Paulo Rabello), Eduardo Guardia (embora não na liderança, mas ajudando no BB), além de Fábio Schvartsman na Vale, que embora não seja estatal sempre teve muita influência dos fundos de pensão e agora finalmente virou privada na prática;
7 - O presidente realizou a reforma trabalhista, dando flexibilidade a um dos mais travados mercados de trabalho do mundo e alterando uma regulação que datava da era Vargas. Um pouco de modernidade! Ainda é pouco, sim, mas representa muito;
8 - O presidente recuperou o crescimento econômico. Depois da mais longa e severa recessão da economia brasileira, com destruição generalizada de empregos e salários, o PIB voltou a crescer, inclusive deve superar o ritmo de 3 por cento neste ano, muito acima do que todos supúnhamos há pouco tempo. Trata-se de uma vitória extraordinária.
9 - O presidente voltou a fortalecer as agências reguladoras e, de modo geral, as instituições inclusivas, com regras do jogo mais claras, que acabam dando a rota de crescimento e desenvolvimento no longo prazo;
10 - O presidente reforçou instrumentos democráticos e afastou o temor de uma reviravolta política que nos afastasse da democracia, ao eliminar focos gramisciniamos e bolivarianos. Se antes caminhávamos em direção à Argentina (dos Kirchner, não do Macri) e à Venezuela (a atual mesmo), agora a política externa se volta à abertura dos mercados e ao livre comércio.
Por esses 10 elementos, comemoro antecipadamente o Segundo Mandato Temer. Não à toa, as estimativas para o crescimento do PIB já passam de 3 por cento neste ano, com inflação abaixo de 4 por cento e a menor taxa de juros da história brasileira. Trata-se de uma baita conquista.
Humildemente, entendo que você deveria comemorar também. Talvez já tenha notado uma melhoria do mercado de trabalho a sua volta. Possivelmente o risco de demissão, seu ou de algum ente próximo querido, tenha diminuído. O amigo desempregado conseguiu trabalho. Você já flerta com uma promoção, quem sabe… Certamente, o orçamento já melhorou bastante nos últimos 12 meses, com o endividamento das famílias caindo fortemente. Com as empresas também não foi diferente.
Mas a parte mais interessante é que o melhor ainda está por vir. Com a economia brasileira pegando velocidade na ponta – o IBC-Br aponta justamente nesse sentido, trazendo-nos um belíssimo carry over para 2018 –, essa sensação de bem-estar só fará crescer nos próximos meses. Estamos apenas no início da caminhada, ainda aquecendo os músculos.
Na parte dos investimentos, e esse é meu maior foco de atenção e interesse, justamente por ser onde acredito poder ajudar, as oportunidades foram fantásticas. A Bolsa saiu de menos de 40 mil pontos para seu recorde histórico acima de 85 mil pontos. Os títulos de renda fixa se valorizaram de forma dramática a partir da queda dos juros e o dólar se estabilizou contra o real.
Se você selecionou algumas ações específicas, viu seu capital se multiplicar por 2x, 3x, 5x, quem sabe 10x. Algumas delas eu mesmo tive a sorte de sugerir para você, como nos casos de Rumo, que inclusive me rendeu mais um próximo (vai entender), Guararapes, Itaúsa, Banco do Brasil, Kroton/Estácio, só para ficar nos exemplos mais gritantes.
Também aqui a melhor notícia é que o melhor ainda está a nossa frente. O futuro se apresenta melhor do que o passado.
Para isso, porém, é fundamental que o próximo presidente dê continuidade a tudo que vem sendo feito até agora. E é por isso que defendo de maneira tão contundente O Segundo Mandato Temer.
Calma. Talvez você esteja me tomando de louco. Ou possivelmente de irresponsável. Quem sabe ainda mau caráter ou golpista, por referendar um presidente envolto a escândalos de corrupção e, para dizer o mínimo, suspeito de desvios éticos. Adoto o eufemismo apenas para evitar mais um processo em minha já extensa coleção.
Nutro o mesmo desprezo pessoal pelo presidente. A imagem que tenho dele é aquela do vampirão do Carnaval. Imagino que você tenha a mesma. Concordamos nessa.
Não falo da figura pessoal do presidente Temer. Não é disso que estou falando. A pessoa em si não importa. Michel Temer pode até disputar a reeleição, mas não tem qualquer chance de se reeleger.
Ao falar do Segundo Mandato Temer, coloco a expressão no sentido de tudo que Michel Temer representa. Não é a pessoa em si, mas a agenda de reformas liberais e estruturais, resumidas nos dez pontos que listei acima. É isso que interessa.
Sobre Michel Temer per se, temos a certeza de que ele e seu PMDB, de uma forma ou de outra, também estará lá representado no novo mandato presidencial, com uma porção de ministros e o domínio do Congresso.
Ai chegamos onde eu queria: teremos um novo presidente de orientação liberal, capaz de estender este ótimo momento da economia brasileira, apoiado por um Congresso conservador e de direita.
Bingo! Temos a garantia de mais quatro anos de perseguição pelas reformas, tripé macroeconômico e valorização dos ativos financeiros brasileiros.
Mas por que a certeza de eleição de um candidato liberal?
Aqui entra o segundo pilar da tese macro: a mais recente cartada da administração Temer coloca a última peça do quebra-cabeça em favor da eleição de um candidato pró-mercado - uso o termo “pró-mercado” apenas para facilitar o entendimento; na verdade, significa muito mais do que isso.
Ao lançar seu “Plano B para a reforma da Previdência” ou a “Agenda 15”, com 15 pontos para serem aprovados no Congresso nos próximos meses, o governo dá o sinal claro do que pretende fazer: continuar uma série de reformas liberalizantes.
De acordo com o ministro Meirelles, no que eu concordo fortemente, sua eventual materialização garantiria inclusive mais crescimento no curto prazo do que a própria Previdência, cujos efeitos são maiores lá na frente.
É claro que nem todos os pontos serão aprovados neste ano e há retórica na comunicação. Mas isso não importa, porque a aprovação de apenas alguns deles já seria uma revolução. Não à toa, a Bolsa brasileira quebrou novos recordes ontem enquanto o mercado internacional apurava perdas generalizadas.
Também é evidente que a Previdência é mais importante do que a tal Agenda 15. Não há ilusão sobre isso. Mas aqui entra o que talvez seja a maior genialidade da medida: se conseguirmos mesmo passar alguns dos pontos da Agenda 15, a economia brasileira vai acelerar seu crescimento nos próximos meses, com grande geração de empregos, aumento dos salários e inflação sob controle. A sensação de bem-estar da população será grande e disseminada.
Então, estaremos prontinhos para eleger um candidato reformista e liberal, alinhado à pauta de mexer nas regras da Previdência. Ou seja, teremos a beleza de vermos o Plano B garantindo a aprovação do Plano A. Pode ser em 2019 no novo governo ou até mesmo ainda na administração Temer, depois das eleições, caso já seja conversado com o novo presidente eleito, favorável também às reformas.
Tudo isso num momento em que os mercados externos ainda se mantêm altamente positivos para aplicação em países emergentes, vivendo um momento sem precedentes de crescimento disseminado, inflação baixa, juros baixos e muita liquidez.
Para completar, as commodities esboçam um novo grande ciclo de valorização, com as típicas e grandiosas consequências para mercados emergentes. Recupere o que aconteceu no governo Lula e veja o quão positivo pode ser um ciclo de commodities para o Brasil.
É por isso que hoje afirmo: estamos diante de um novo grande ciclo de multiplicação dos ativos financeiros no Brasil. Todos os anteriores foram caracterizados por melhora da economia, mudança do espectro político e ambiente internacional favorável.
Rigorosamente o mesmo caso se coloca agora. Da mesma forma dos meus dois alertas anteriores, eu realmente gostaria de poder lhe ajudar nesta caminhada, oferecendo sugestões de investimento capazes de multiplicar seu patrimônio nos próximos anos. Com sorte, nos próximos meses já poderemos observar a primeira multiplicação concreta de seus investimentos.
Para que você possa usufruir desse ciclo da melhor forma possível e para lhe transmitir a real importância e convicção do que estou lhe dizendo, retomo a mesma estratégia que adotei em meus dois alertas históricos anteriores (O Fim do Brasil e a Virada de Mão).
Apresento uma oportunidade única de assinar o  Palavra do Estrategistapor apenas 9,90 reais por mês. Nele, você encontrará a cada 15 dias minhas melhores sugestões para aplicar seu dinheiro e ser alçado a um novo patamar financeiro.
Por que tão barato? Porque isso só faria sentido se eu pudesse atingir o maior número possível de pessoas. Não se trata de quanto vale a assinatura. Se trata da real responsabilidade de levar isso a todo mundo. Todos merecem a chance de multiplicar seu dinheiro. Essa é a minha vocação.
Além disso, para que eu possa lhe ajudar a gerenciar suas economias de forma direcionada às suas próprias necessidades, você, ao assinar o Palavra, estará automaticamente convidado para participar de um webinar comigo na próxima quarta-feira, às 11h, para que eu possa tirar todas as suas dúvidas sobre investimentos.
Por fim, para que você se sinta totalmente confortável em assinar, poderá apenas degustar do Palavra do Estrategista por 20 dias. Se, após esse período, por algum motivo, não gostar do material, poderá simplesmente cancelar a assinatura, com a integral devolução de seu dinheiro, sob compromisso registrado em cartório.
Com isso, a decisão de assinar o relatório Palavra do Estrategista deixa de ser uma opção ou uma questão de gosto. Trata-se apenas de uma decisão racional, uma escolha em que você não perde nada se não gostar e ganha muito se for de seu agrado.
Se um dia o Brasil terminou, hoje ele está começando de novo. Quando ele acaba, as perdas dos seus investimentos podem ser no máximo de 100 por cento. Agora, as oportunidades podem ser muito maiores. De 100, 200, 500, talvez 1.000 por cento. É por isso que estamos aqui. E é por isso que devemos brindar ao Segundo Mandato Temer.
Um abraço,

Felipe Miranda
Fevereiro de 2018.

LEIA TAMBÉM: TEMER CANDIDATO A REELEIÇÃO
http://cidadedemarilia.blogspot.com.br/2018/02/michel-temer-e-candidato-reeleicao.html

Postagens mais visitadas