Professores da rede municipal de Goiânia entram em greve

Professores da rede municipal de Goiânia entram em greve

26 de maio de 2014
Segundo sindicato, cerca de 90% do efetivo já aderiu ao movimento. Categoria afirma que prefeitura não cumpriu acordo firmado em 2013

Fonte: G1
Professores e funcionários administrativos da rede municipal de ensino entraram em greve nesta segunda-feira (26), em Goiânia. De acordo com Sindicato Municipal dos Servidores da Educação de Goiânia (Simsed), cerca de 90% dos 10 mil servidores aderiram ao movimento. A Secretaria Municipal de Educação ainda não concluiu o levantamento dos funcionários que paralisaram as atividades.
A greve foi decretada na última quinta-feira (22), em assembleia que reuniu cerca de 2 mil professores e funcionários administrativos. A categoria reclama que a prefeitura não cumpriu o acordo firmado entre as partes em outubro do ano passado, após os servidores pararem as atividades. As principais reivindicações são o aumento salarial e o retorno das gratificações.
“O prefeito suspendeu por decreto qualquer tipo de gratificação por seis meses. Isso é a desvalorização da carreira do servidor público. Irresponsabilidades do prefeito que estão sendo descontadas na conta do servidor”, disse ao G1 o diretor jurídico do Simsed, Antônio Gonçalves Rocha Júnior.
Em nota, a Secretaria Municipal de Educação informou que está cumprindo o acordo firmado com a categoria e afirma que, entre as medidas, está o “reajuste salarial para professores de 8,32% neste ano, mantendo o piso salarial 7,3% acima do piso nacional”. O órgão disse ainda que “o decreto nº. 1248/2014 formaliza no âmbito da administração municipal o que determina a Lei de Responsabilidade Fiscal”.
Mesmo com o decreto de greve na quinta-feira, muitos alunos não foram avisados sobre a paralisação e se dirigiram às escolas e aos Centros Municipais de Educação Infantil (Cmeis) nesta manhã. Um destes estudantes é Ione Moreira, de 14 anos, que pegou dois ônibus para ir à Escola Municipal Professor Trajano de Sá Guimarães, no Parque Amazônia.
“Acho ruim, porque a gente já teve greve no ano passado. Vai piorar para nós porque já teve ano passado e agora de novo, ainda tem a Copa do Mundo", reclama a estudante.
Algumas unidades de ensino abriram nesta manhã, como a Escola Municipal Jesuína de Abreu, também no Parque Amazônia. “A gente fez votação na sexta-feira e decidimos não parar”, informou a servidora Maria do Socorro.
Nesta segunda-feira, integrantes do sindicato estão visitando escolas e Centros Municipais de Educação Infantil (Cmeis). Para a tarde de terça-feira (27) está prevista uma manifestação na Praça Universitária, no Setor Universitário.
A última paralisação da categoria começou no dia 25 de setembro e foi suspensa após 26 dias. Na época, os professores ocuparam o plenário da Câmara de Vereadores por 15 dias. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Candidatos que ainda não fazem parte da rede poderão realizar, pela primeira vez, um cadastro online

Marília recebe Mostra de Teatro Infantil

XV Encontro de Canto Coral de Marília acontece no Teatro Municipal

ARMAS APREENDIDAS DENTRO DE ÔNIBUS EM MARÍLIA

Bruno Borges, apareceu depois quase 5 meses

O Instituto de Previdência do Município de Marília – IPREMM informa que efetuou o pagamento do saldo de sua folha de segurados, aposentados e pensionistas, previsto para o 5.º dia útil do mês de agosto.