Buscar

Livro organizado por professora mariliense ganha prêmio Jabuti - fonte Jornal Diário


Unesp lança livro vencedor do Jabuti

Obra organizada pela professora Maria do Rosário Longo Mortatti discute a história da alfabetização no Brasil, incluindo conceitos internacionais

Alfabetização no Brasil: uma história de sua história, primeiro lugar na categoria Educação do Prêmio Jabuti 2012 será lançado amanhã, durante a 13ª Semana da Biblioteca da Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC) da Unesp, Campus de Marília. A organizadora da obra, professora Maria do Rosário Longo Mortatti falou ao jornal Diário sobre a conquista e destacou a alfabetização como campo de conhecimento.
O livro, primeira obra do selo Cultura Acadêmica a ganhar o prêmio, faz um balanço das últimas décadas do conhecimento acumulado acerca da história da alfabetização no país, por meio de diversos artigos que refletem a investigação dos próprios autores.
Maria do Rosário Mortatti, professora titular da Unesp, do curso de Pedagogia e Programa de Pós Graduação em Educação, coordenadora do grupo de pesquisa História do Ensino de Língua Portuguesa e Literatura no Brasil e presidente da Associação Brasileira de Alfabetização, fala do sonho realizado quando do 1º Seminário Internacional sobre História do Ensino de Leitura e Escrita, realizado em 2010 na Faculdade de Filosofia e Ciências da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Marília.
O evento reuniu o conjunto de pesquisadores que vem produzindo sobre o tema alfabetização nas últimas duas, três décadas. Inicialmente ela pensou como dialogar com todos num país imenso como o Brasil. Assim organizou o 1º Seminário Internacional, que além de debater resultou na publicação de textos anteriormente discutidos e produzidos em cada Estado.
Maria do Rosário fala da responsabilidade de discutir o tema e de compreender a história da alfabetização. A origem do evento e do próprio livro está em pesquisa desde a década de 90 que resultou no livro “Os Sentidos da Alfabetização - São Paulo 1876/1994”, lançado por ela em 2000. A partir daí outros estados brasileiros começaram a propor ações e conceitos.
O livro traz o pensar da alfabetização a partir das últimas décadas do século 20. A organizadora lembra que esta se tornou uma área estratégica com campanhas e busca de metas estabelecidas por organismos internacionais, mas era preciso confrontar a alfabetização no Brasil e em outros países, por isso o convite à Anne-Marie Chartier, professora pesquisadora aposentada do Service d’Histoire de l’Education - Institut National de Recherche Pédagogique (INRP)/França, que abordou o conceito europeu e Magda Soares, professora Emérita da Faculdade de Educação - Universidade Federal de Minas Gerais, que foi homenageada no Simpósio. E, finaliza dizendo que é precioso compreender uma identidade nacional para dialogar com outros países. Para atingir metas internacionais, antes é necessário saber os reais problemas do país.
Orgulho
“É uma honra. Tivemos conquistas importantes neste prêmio, a alfabetização ter ganho é uma delas, nunca foi um tema nobre nas áreas de ciências humanas”, disse Maria do Rosário sobre o Prêmio Jabuti. A pesquisa da história da Educação é outro ponto citado pela organizadora que destaca ainda ser o fato de ser uma obra coletiva, “o conhecimento se constrói coletivamente. E, outra questão é que o Prêmio leva a produção de dentro da universidade para a comunidade, a sociedade. Assim podemos dialogar com a sociedade, afinal é o dinheiro público investido na pesquisa. É um motivo de orgulho”, conclui.
Fonte: http://www.diariodemarilia.com.br/Noticias/116517/Unesp-lana-livro-vencedor-do-Jabuti


correiodeuberlandia.com.br

Livro organizado por professora da Unesp de Marília recebe Prêmio Jabuti
Obra foi publicada pela Cultura Acadêmica, selo da Editora Unesp
[19/10/2012] 
O livro ‘Alfabetização no Brasil: uma história de sua história’, organizado por Maria do Rosário Longo Mortatti, professora da Unesp de Marília, foi classificada em primeiro lugar, na Categoria Educação, no Prêmio Jabuti, o mais tradicional da área de livros do país. A obra foi publicada pela Cultura Acadêmica, selo da Editora Unesp, e Oficina Universitária da Unesp de Marília.
A obra como um todo busca estudar o ensino e o aprendizado da escrita e da leitura em diferentes textos e contextos, por variadas chaves conceituais, mediante sua inscrição histórica. O livro, ao apresentar um conjunto de pesquisas, oferece uma grade de compreensão daquilo que vem sendo produzido no Brasil nos últimos anos sobre o tema alfabetização. Os diferentes grupos de estudo registrados nos diversos capítulos trazem importantes contribuições.
Os melhores livros de 2011 nas 29 categorias laureadas pelo 54º Prêmio Jabuti foram anunciados quinta (18), na sede da Câmara Brasileira do Livro (CBL). Aberta ao público, a apuração se deu com a leitura dos votos dos jurados.
A última etapa do prêmio acontece no dia 28 de novembro, durante a cerimônia de premiação dos vencedores, quando também serão conhecidos os vencedores do Livro do Ano Ficção e Livro do Ano Não Ficção, prêmios máximos do Jabuti. Na ocasião, os primeiros, segundos e terceiros colocados em cada uma das categorias receberão seus Jabutis.
Todos os resultados foram auditados pela Parker Randall. O curador do Prêmio Jabuti,José Luiz Goldfarb, e o Conselho de Curadores, formado por especialistas do setor editorial, ficaram responsáveis por checar se os vencedores cumpriram com os critérios estabelecidos pelo regulamento. Integram o Conselho de Curadores a escritora e membro da Academia Paulista de Letras Ana Maria Martins, o diretor científico da Fapesp, Carlos Brito, o vice-reitor de Extensão da Universidade Estácio de Sá, Deonísio da Silva, e o poeta Frederico Barbosa.
Os finalistas do Livro do Ano Ficção serão os primeiros colocados do Jabuti nas categorias: Romance; Contos e Crônicas; Poesia; Infantil e Juvenil.
Para o Livro do Ano Não Ficção, concorrem os primeiros colocados nas categorias: Teoria/Crítica Literária; Reportagem; Ciências Exatas; Tecnologia e Informática; Economia, Administração e Negócios; Direito; Biografia; Ciências Naturais; Ciências da Saúde; Ciências Humanas; Didático e Paradidático; Educação; Psicologia e Psicanálise; Arquitetura e Urbanismo; Fotografia; Comunicação; Artes; Turismo e Hotelaria e Gastronomia.
Mais quatro título da Unesp chegaram à fase final do prêmio. Estavam entre os dez finalistas, mas não ficaram entre os três primeiros colocados: 'Um estilo de história', de Fernando Nicolazzi (Categoria Ciências Humanas), 'Poesia completa de Yu Xuanji', de Ricardo Portugal (Categoria tradução), 'Negociações econômicas internacionais', de Luis Fernando Ayerbe e Neusa Maria Pereira Bojikian (Categoria Economia, Administração e Negócios) e 'Comer e beber como Deus manda', de Sérgio de Paula Santos em co-edição com a Editora SENAC (Categoria Gastronomia).
A Editora Unesp já recebeu 19 estatuetas. Em 2009, a obra 'Monteiro Lobato – Livro a livro', de João Luís Ceccantini e Marisa Lajolo conquistou o prêmio de melhor título de Não-Ficção. Em 2011, levou dois primeiros lugares com 'Machado de Assis: relíquias culinárias', de Rosa Belluzzo, na categoria Gastronomia, e 'Impresso no Brasil', de Aníbal Bragança e Márcia Abreu

Assessoria de Comunicação e Imprensa


Blogs

Postagens mais visitadas

HORÁRIOS DE ÔNIBUS - MARÍLIA

HORÁRIOS DE ÔNIBUS - MARÍLIA
ÔNIBUS